Skip to content
Henri Cartier-Bresson

Henri Cartier-Bresson [Grandes nomes da fotografia]

dezembro 3, 2019

COMPARTILHE

Henri Cartier-Bresson nasceu em Chanteloup-en-Brie, na França, em 1908. Filho de manufatureiros têxteis ricos e bem relacionados, desde cedo obteve auxílio financeiro para desenvolver seu interesse em fotografia. Quando criança, ganhou uma câmera fotográfica Box Brownie e, apaixonado pelas imagens, testou também uma câmera de filme 35mm.

 

Blog IpsisPro Bresson Henri Cartier-Bresson [Grandes nomes da fotografia]

Quem foi Cartier-Bresson?

É considerado o pai do fotojornalismo, mesmo não tendo a menor intenção de transmitir histórias jornalísticas em suas fotos. Ele preferia registrar cenas do cotidiano que o atraíssem e que, geralmente, não eram interessantes como notícia. Assim como muitos fotógrafos da década de 1930, seu interesse estava em registrar a vida das pessoas comuns.

Bresson estudou arte em Paris e abandonou por um tempo a fotografia. Em 1931, depois de retornar para Marselha de uma viagem que havia feito à África, viu uma foto de três jovens africanos nus que corriam numa praia do Congo. Esta foto era do fotógrafo húngaro Martin Munkacsi e despertou o interesse adormecido dele, que voltou para a fotografia.

A maioria de suas fotos foram feitas com uma Leica Rangefinder, lente fixa de 50mm e filme de 35mm. Ele carregava a câmera aonde ia, tanto que ela se tornou uma extensão de sua mão. Sempre discreto, com uma capa escura, seu ponto de vista era de observador oculto: ele fotografava sem interagir com o sujeito. Treinou para conseguir operar a máquina sem precisar olhar para os controles. Mantinha a câmera escondida, fora de vista, até o momento exato da foto, quando a levava rapidamente ao olho. Seu equipamento reforçava a discrição do fotógrafo: era extremamente silencioso. A técnica da fotografia não era uma de suas preocupações. Dessa forma, e sempre atento, ele conseguia registrar o que ele chamou de instantes decisivos.

Instante decisivo

É quando, de acordo com as palavras dele mesmo, “alinham-se a cabeça, o olho e o coração”. É o instante exato e único para a foto perfeita. Segundo ele, a foto não seria a mesma se fosse clicada um milésimo de segundo antes ou depois. Para o fotógrafo, o que passou, passou para sempre.

Blog IpsisPro bailarina Henri Cartier-Bresson [Grandes nomes da fotografia]

Um exemplo de instante decisivo, e também uma de suas obras mais famosas, é a foto de um homem tentando saltar sobre uma poça de água. Os pés do homem estão muito próximos de tocar a água, sua imagem está totalmente refletida e suas pernas estão posicionadas de forma parecida com as pernas de uma bailarina retratada no cartaz ao fundo da foto. Ou seja, se essa foto tivesse sido tirada um momento antes, a posição das pernas do homem não estaria tão próxima da posição da bailarina e seu pé estaria longe da água alterando a posição do reflexo e, se fosse tirada um momento depois, o homem ia estar todo molhado. Ou seja, se clicada em qualquer outro momento, a imagem não teria tanta beleza, nem impacto.

Embora seja necessário encontrar o instante decisivo para conseguir a foto perfeita, e isso é bastante difícil, Bresson diz também que o fotógrafo não deve usar a câmera como se fosse uma metralhadora. Para ele, a realidade não deve ser manipulada no momento da foto e nem na revelação. Para ele, “esses truques são patentes e dicerníveis a toda pessoa dotada de olho”. Ele acreditava que a câmera pode traduzir a realidade em imagens, flagrando-as em suas manifestações mais espontâneas. Por isso, ele não aceita a manipulação das imagens nem de acordo com quem foi fotografado, nem com o público-alvo.

Magnum Photos

Logo após o fim da 2ª Guerra Mundial, junto com Robert Capa, George Rodger, David Seymour e William Vandivert, fundou a Magnum Photos, em Paris. A Magnum é uma agência cooperativa, que ainda existe hoje em dia, onde os fotógrafos associados decidem em conjunto como cada trabalho será realizado. Essa estrutura serviu de base para a criação de outras agências como a Gamma e a Viva, na França, a Tio, na Suécia e a F4, em São Paulo.

Enquanto fotógrafo da Magnum, ele foi contratado e fotografou ao redor do mundo para revistas como a Vogue e a Harper’s Bazaar. Foi o primeiro fotógrafo ocidental a fotografar, sem restrição, na União Soviética pós-guerra. Na Índia, fotografou os últimos dias de Gandhi. A sua abordagem discreta e respeitosa foi bem-sucedida ao contrário da tentativa da fotógrafa Margaret Bourke-White que, a serviço da Revista Life, foi grosseira em sua abordagem e teve o filme tirado de suas câmeras. Na china, fotografou os últimos Eunucos Imperiais sobreviventes em Pequim, enquanto a cidade era tomada pelos comunistas. Era também fotógrafo de retratos. Retratou muitos nomes famosos como Matisse e alguns políticos da época.

Blog IpsisPro bike-1024x690 Henri Cartier-Bresson [Grandes nomes da fotografia]

Um história. Um legado

Henri Cartier-Bresson fez da fotografia suas pinturas e preferiu trabalhar sempre com as imagens em preto-e-branco. Dessa forma, exerceu sua função por mais de 50 anos e inspirou e continua inspirando muitos fotógrafos. Todo sua cooperação para a história da fotografia o tornou um mestre da escola francesa e é conteúdo obrigatório em todos os cursos de fotografia.

Ele faleceu em 02 de agosto de 2004, em Montjustin, na França, aos 95 anos de idade.

E aí, fotógrafo! Curtiu? Qual outro fotógrafo você quer ver a história por aqui? Conta pra gente 🙂 Estou curiosa para saber

Até a próxima!

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS:

FABRICA BLOG - 1

Sobre a IpsisPro

Transformamos ideias em imagens que saltam aos olhos! Seus clientes vão poder desfrutar do mesmo requinte de livros de arte e de renomados fotógrafos brasileiros através dos trabalhos da IpsisPRO.

Depois de mais de 70 anos no mercado e já consolidada como referência na América Latina em qualidade de impressão e tratamento de imagem, lançamos uma plataforma que proporciona o mesmo requinte de livros de arte para trabalhos de fotógrafos profissionais.

Fique por dentro das nossas novidades